Balbúrdia Café #5: As guerras reais na ficção

Maria Clara Carneiro e Lielson Zeni, do Balbúrdia.net

“… o que eu vi, o que tinha a relatar, fazia a guerra parecer muito feia. Sabem, a verdade pode ser uma coisa realmente poderosa. Não é algo que se espera.”
Kurt Vonnegut

As guerras sempre foram assunto para a ficção em geral: desde a bravura de soldados (e soldados resgatando soldados) à dor de quem fica, que nunca fica inteiramente são. Nos quadrinhos isso não é diferente: a própria indústria se sustentou à base de muita guerra, pow, soc, pof, ratatá. O Balbúrdia Café vai comentar alguns quadrinhos em torno desse assunto, e também celebra o centenário de um autor de ficção, Kurt Vonnegut, que escreveu um dos maiores textos antibélicos da Terra e de Tralfamador.

Dicas da semana:

Matadouro 5, de Kurt Vonnegut. Trad. de Daniel Pelizzari, Intrínseca, 2019. 

Ao coração da tempestade, de Will Eisner, Quadrinhos na Cia, trad. de Augusto Pacheco Calil, 2013; Ardil 22, de Joseph Heller, trad. de A.B. Pinheiro de Lemos e Mariana Menezes;

The Great War, de Joe Sacco, W.W. Norton Company, 2013 (texto da diretora de arte da New Yorker Françoise Mouly e Mina Kaneko sobre esse livro); GEN – Pés descalços, de Keiji Nakazawa, trad. de Drik Sada, Conrad (2011-2016);

Black dog: os sonhos de Paul Nash, de Dave MacKean, trad. de Bruno Dorigatti, para a Darkside, 2018; Era a guerra das trincheiras, de Tardi. Trad. de Ana Ban, editora Nemo, 2011. Resenha de Thiago Cido sobre o livro;

Cherry: a inocência perdida, de Nico Walker, trad. de Diego Gerlach, para a Darkside, 2021.

Outros relatos de guerra e seus entornos:

·  Histoire pittoresque, dramatique et caricaturale de la Sainte Russie, de Gustave Doré: mais conhecido por suas ilustrações de livros infanto-juvenis, faz uma paródia da história da Rússia, para zombar, em 1854, da guerra da Crimeia (a de 1853-1854). As páginas estão disponíveis em site da Biblioteca Nacional Francesa.

·  Maria Luque e a Guerra do Paraguai, em A mão do pintor (Lote 42, trad. de Mariana Sanchez, 2020). A autora conta essa história na perspectiva de um pintor argentino  real que perdeu seu braço na guerra.

·  Refugiados, de Kate Evans. Trad. de Letícia Ribeiro Carvalho para a Darkside. A autora conviveu com refugiados na cidade francesa de Calais e conta essa experiência.

·  Sobre Kurt Vonnegut muitos livros dele saíram recentemente pela Intrínseca e Aleph. O documentário Unstuck in time, as adaptações para o cinema e para quadrinhos do Matadouro 5, infelizmente, não estão disponíveis em streaming ou em português br. 

·  Sobre o estabelecimento dos super-heróis, conversa com autor e pesquisador Rafa Campos Rocha no canal do Balbúrdia .

Um comentário sobre “Balbúrdia Café #5: As guerras reais na ficção

  1. Pingback: [Balbúrdia Café] As guerras e a ficção – balbúrdia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s